//História

História

 Desfrute todas as maravilhas que Brotas tem a lhe oferecer. Sua rica história e cultura, misturadas com belas cachoeiras, mata exuberante e paisagem paradisíaca promovem a cidade como uma das principais referências turísticas no interior do Estado de São Paulo.

Mais sobre Brotas
Ligada historicamente à economia agrícola, primeiramente, com o café e, recentemente, com a cana-de-açúcar, laranja e eucalípto, a cidade vem buscando novos horizontes, mergulhando de cabeça no turismo de aventura, turismo rural e todas as atividades relacionadas à natureza.

Com uma enorme biodiversidade animal e vegetal, a região conta ainda com um manancial hídrico de dar inveja, destacando-se o rio Jacaré Perira, um dos poucos rios da região ainda não poluídos do estado e palco de diversas atividades radicais em Brotas. O relevo é marcado boa parte pelas “cuestas” basálticas e cortado por serras que abrigam muitas nascentes e mata virgem, consequentemente, rios encachoeirados, responsáveis pela formação de diversas piscinas naturais, corredeiras e ribeirões.

Hidrografia
Recursos Hídricos
A rede hidrográfica que atravessa a região da APA Corumbataí, Botucatu e Tejupá está associada às bacias dos Rios Piracicaba, Médio Tietê Superior , Baixo Tietê e Paranapanema, constituindo um denso sistema de drenagem, cujas nascentes estão em áreas de relevo acidentado das cuestas basálticas. O município pertence ao Comitê da Bacia Hidrográfica Tietê Jacaré ( CBHTJB ).
O Rio Jacaré- Pepira nasce na Serra de São Pedro, no Planalto de Itaqueri, a 900 m de altura e é um dos únicos não poluídos do Estado de São Paulo, formando uma microbacia de 7.219 km², estendendo-se por 13 municípios. Área aproximada de 44.40 ha.
Nascem num planalto “caindo” pela face oeste da serra de Brotas, a montante da cidade de Brotas.
Principalmente o Rio Jacaré Pepira, que recebe os córregos Porto do Coqueiro, Recreio e Ribeirão Recreio (no Município de Brotas com divisa a São Pedro). Na várzea do rio, recebe o Caçoroba (formado pelo Ribeirão do Pinto, Jerivá e Pinheirinho). Abaixo deste, ainda pela margem direita, ele recebe o Tamanduá (que vem do alto da serra de Itaqueri e Brotas (ou São Pedro).
A vazão média do Rio Jacaré é de 9m/segundo. Isso tomado na sua cabeceira onde foi represado pela CESP para produção de energia elétrica (hoje desativada), na ponte mais baixa.

Principal Rio
Rio Jacaré Pepira
Um dos poucos ainda não poluídos do Estado de São Paulo. A Bacia do rio Jacaré Pepira, localiza-se no Estado de São Paulo, pertencente à Bacia do rio Paraná e ocupa uma área de 2.612 km2 .
O rio Jacaré Pepira nasce próximo à região central do Estado de São Paulo, mais precisamente nos municípios de São Pedro e Itirapina, na Serra de Itaqueri; numa altitude de 960m, passa pelos municípios de Brotas, Bocaina, Torrinha, Ribeirão Bonito, Bariri, Boa Esperança do Sul, Dourado, Jaú, Dois Córregos, Itaju, desaguando na represa de Ibitinga, no rio Tietê, após percorrer um percurso de 174 Km. Portanto, abrange 13 municípios, numa área de 7.219 Km2 .
O rio sofre uma única interrupção no seu curso, o que ocorre após o percurso inicial de 16 Km, ao atingir a cota de 800m, onde se encontra artificialmente represado por uma barragem de 10m, atualmente pertencente a FPHESP ( Fundação do Patrimônio Histórico das Energias de São Paulo )
Ocupando uma posição central, nas proximidades do rebordo das escarpas das “Cuestas Basálticas” e, portanto apresentando altitudes que no conjunto constituem o alinhamento da Serra Geral, a região possui características climáticas peculiares. E de acordo a formação de seu relevo, originou-se uma série de rápidas corredeiras e muitas quedas d’água.
O rio Jacaré Pepira, um dos afluentes do Tietê em melhores condições, apresenta grande parte de sua extensão preservada, o que justifica todo um esforço da sociedade e do poder público para a sua preservação. O rio foi e é objeto de vários estudos na área de meio ambiente e já sediou um importante projeto: O “Consórcio Intermunicipal de Preservação da Bacia do rio Jacaré Pepira”, uma experiência piloto, que teve a iniciativa do CONDEMA de Brotas, em meados da década de 80.
A comunidade sempre teve laços afetivos e históricos com o rio, principalmente, em Brotas, onde ele cruza o perímetro urbano, formando várias quedas, conhecidas como o “Parque dos Saltos”. O Ecoturismo, hoje, é mais uma importante alternativa que veio agregar valores para a preservação ambiental.

Nome: Rio Jacaré Pepira:
Após pesquisas em livros da língua indígena, chegamos à conclusão que o nome do Rio Jacaré Pepira é de origem TUPI-GUARANI.
Aliás, a palavra JACARÉ é de origem TUPI. Segundo o Prof. Silveira Bueno, a grafia da palavra era “YACARÉ”, que significa “aquele que olha de lado, aquele que é torto.”
Já para a palavra PEPIRA, tem duas versões:
a primeira seria que a palavra PEPIRA originou-se, através dos anos, da palavra ”PEPIRA”. E assim teríamos: ”YA-CARÉ PEPIRA”; O jacaré esfolado ou descascado. Seria mais coerente aceitar essa origem, levando-se em consideração o curso do rio (é inegavelmente torto) e, fundamentalmente, que lá existem muitas pedras. Daí falar-se em “esfolado” ou “descascado”.
Existe outra palavra TUPI de grafia ”PEPYRA”, cuja significação diz respeito à envergadura ou, também, festa ou festim. Essa última versão não é coerente. ”YA-CARÉ” já traz em si a idéia de envergadura. Os índios nunca usavam duas palavras para dizer a mesma coisa. Quanto à festa, não parece ser essa idéia que os índios gostariam de frisar, embora as quedas do Jacaré Pepira sejam, realmente, uma grande festa da natureza.

Aspectos Geo-Físicos
Localização
Sudeste do Brasil, região central do Estado de São Paulo. À noroeste da capital. Próxima às cidades de São Carlos, Piracicaba, Rio Claro e Jaú.

Distâncias:
SÃO PAULO – 235 KM
SÃO CARLOS – 65 KM
CAMPINAS – 140 KM
JAÚ – 54 KM
JUNDIAÍ – 185 KM
RIO CLARO – 70 KM
RIBEIRÃO PRETO – 150
KM SÃO PEDRO – 80 KM
BAURU – 105 KM
BARRA BONITA – 63 KM
PIRACICABA: 110 KM

Brotas faz divisa com os seguintes municípios:
ao Norte – 36 km, Ribeirão Bonito
ao Noroeste – 40 km, Dourado
ao Nordeste – 64 km, São Carlos
ao Sul – 18 km, Torrinha
ao Sudeste – 55 km, São Pedro
ao Leste – 31 km, Itirapina
ao Oeste – 37 km, Dois Córregos

Sistema Viário:
Brotas estando localizada no Centro do Estado (235 km da Capital), está muito bem servida de
rodovias, tais como:
Bandeirantes – SP 348
Anhanguera – SP 330
Washington Luís – SP 310
Eng. Paulo Nilo Romano – SP 225 / SP 197
É seguida pelas Companhias de Transportes: Via Sol, Expresso Prata, Reunidas, Monte Alegre. Dispõe
de uma boa Estação Rodoviária: (14) 3653.1538

Rodoviário:
Via São Paulo: Saída pela Rod. dos Bandeirantes seguir até Cordeirópolis – Km 168, entrar à direita na
Rodovia Washington Luis (sentido São Carlos/São José do Rio Preto). Seguir pela Rod. Washington
Luis até o KM 206B, entrar à direita (seguir placas Jaú/Brotas) pela SP 225 ou Rod. Paulo Nilo Romano.
Seguir 40 km até a entrada de Brotas. (Tempo aproximado de viagem 2h30m)
Até o Bairro do Patrimônio:
Vindo da SP 225, Itirapina – Brotas, entrar à esquerda no trevo que fica a 4 km antes da entrada de
Brotas. Pegar a SP 197 (seguir placa Torrinha/ Sta. Maria da Serra ) andar 5 km, entrar à esquerda no
trevo para o patrimônio ( ver placas – Represa, Cachoeiras,…) e pegar a estrada vicinal que vai para o
Patrimônio. Seguir 18 km até a chegada do bairro.

Estação Ferroviária:
Desativada para pessoas. Funcionamento para transportes de produtos.

Alguns Aspectos:
TEMPERATURA MÉDIA ANUAL: 22º C
CLIMA: Tropical
ÍNDICE PLUVIOMÉTRICO ANUAL: 1.300 a 1.400 mm
ÁREA DO MUNICÍPIO: 108 ha ou 1.062 Km2

Coordenadas Geográficas:
altitude – 636,30 m
latitude – 22º 17′ 12”
longitude – 48º 07′ 35”

Tipos de solo:
Solo Hidromórfico e Terra Roxa Estruturada: 1%
Latossolo Roxo: 3%
Latossolo Vermelho Escuro: 6%
Areia Quartzosa: 40%
Latossolo Vermelho Amarelo (fase arenosa): 50%

Tipos de Rochas:
Basaltos e Arenitos
Geomorfologia:
Cuestas Basálticas
Relevo: vai de plano a ondulado
Vegetação: Remanescentes de cobertura vegetal primitiva da floresta tropical -”Mata Atlântica,
principalmente no front das “Cuestas”, incluindo alguns encraves de cerrado e campo
POPULAÇÃO: 21.184 Habitantes – Urbana: 18 094 – Rural: 3 093

Aspectos Históricos
Por volta de 1839, foi construída uma capela dando origem à primitiva povoação local. O território, inicialmente, pertencia às sesmarias da região de Araraquara e era cortado pelas trilhas de expansão de Minas para o interior do Estado.
Os primeiros a se fixarem na região foram famílias mineiras “Gente que estava apenas abandonando o sonho das minas para substituí-lo pelo sonho da permanência, do plantio, da fixação a terra”- BUSSAB (1992).
Brotas tornou-se distrito de Araraquara em 1841, sendo em 1853 transferido para Rio Claro e tornou-se município em 22 de agosto de 1859. O aniversário da cidade é comemorado no dia 03 de maio, por ocasião de uma antiga comemoração católica, a de Santa Cruz.
Pode-se dizer que a ascensão de Brotas está diretamente ligada à introdução das plantações de café, a partir da década de vinte, no interior do estado. A necessidade de mão de obra atraiu oriundos de todos os cantos do mundo, destacando-se, principalmente, os italianos. Como nada dura para sempre, a crise do café gerou um período de estagnação no crescimento populacional, fazendo com que muitas famílias fossem buscar a sorte nos grandes centros urbanos. O crescimento voltou acontecer em meados da década de oitenta com busca por outras fontes de lucro.
Atualmente, Brotas ainda tem sua economia voltada para a zona rural, destacando-se a plantação e o cultivo da cana-de-açúcar. Além disso, por ser uma região abençoada por diversos recursos naturais, como serras, enorme mata nativa e diversas cachoeiras, a cidade passou a investir no ecoturismo, atraindo milhares de turistas todos os anos.

O Nome: Brotas
A origem do nome BROTAS recebe quatro hipóteses:
Brotas de olho d’ água; Brotas de broto de capim (mato que brotava depois de pousadas de trilheiros); Brotas como derivativo de “bolotas” (bolos característicos fabricados no lugar); a quarta, e mais provável, vem das origens da fundadora de Brotas. Sendo Dona Francisca Ribeiro dos Reis descendente de portugueses católicos e devota de Nossa Senhora das Brotas, teria prestado uma homenagem à Santa, dando seu nome à cidade. Na Capela de Santa Cruz existe uma imagem do século XIX da referida Santa.

Aspectos Culturais
Por ser uma região predominantemente cafeeira no início do século, enormes fazendas e belos casarões ainda ocupam parte da paisagem de Brotas. Embora, hoje em dia, a cidade estar mais voltada para as atividades esportivas, muitas dessas locações ainda recebem visitações, já que suas arquiteturas mantiveram-se preservadas. Só na zona rural, ainda existem cerca de 150 sedes de fazendas com suas características originais assim como os casarões do centro da cidade.
A cultura popular oferece, basicamente, o que a população do interior do estado tem de melhor. A culinária caipira é um dos seus pontos fortes. Pratos servidos no fogão a lenha continua sendo o diferencial gastronômico de Brotas. Sem contar aquela cachaçinha, que ainda produzida e servida em vários pontos da região. Doces caseiros, licores, queijos, pimenta e mel completam o delicioso cardápio brotense.
No artesanato, Brotas se destaca na produção de bordados, crochês, quadros feitos com sementes e peças feitas de conchas e bambu.

Centro Cultural Grêmio Literário e Recreativo Brotense:
Instalado em um casarão do século XIX, o “novo” Centro Cultural abriga a biblioteca pública, museu do café e preserva os arquivos históricos de Brotas. Ponto de encontro da elite brotense em outros tempos, o casarão era palco de apresentações musicais e saraus literários. Atualmente, completamente restaurado, o Centro Cultural ainda conta com um garboso salão para eventos, shows e manifestações artísticas e culturais.